Gerenciador de Artigos Artigos

Uma questão de prioridade

0 Comentários
699
10 Abr 2015

 

Uma questão de prioridade

 

A paz irmãos

 

Um bom dia para você é o desejo do meu coração! Um dia onde você seja capaz de separar um tempinho para meditar sobre as suas prioridades. Creio que o Senhor Jesus ao nos convocar ao discipulado estabelece uma questão de prioridade. Nossa base textual será Lucas 9.57-62 e entender o texto em questão é o desafio deste dia. Creio que se buscarmos uma ajuda em Marcos 8:34-9:1 poderemos facilitar esta tarefa. Nesta secção encontramos A LEI DA CRUZ que aplicada ao discipulado demanda quatro princípios básicos: Voluntariedade - Renúncia - Disposição Completa - Perseverança. Por sua vez o discipulado devido a sua própria natureza exige de cada discípulo:

 

1. Compreensão sobre o valor da vida(v.35-38).

 

2. Compreensão do valor da vida no futuro(9:1). Deste esforço em compreender o

 

 

 

Discipulado selecionamos duas verdades absolutas:

 

1. O seguir a Cristo tem suas exigências.

 

2. Os valores do reino de Deus são mais importantes que os da vida terrena.

 

Para que definamos bem esta questão de prioridade faz-se necessário descobrir na experiência destes três indivíduos, de quem o texto de Lucas 9:57-62 fala, os princípios aplicáveis as nossas vidas. Homens estes que deram "boas desculpas" e que recusaram a oportunidade de serem discípulos de Jesus. Desculpas dadas para não fazermos o que Jesus quer que façamos são um grande obstáculo. Elas impedem que perdidos sejam salvos e que crentes sirvam melhor ao Senhor. Nesta experiência vemos Jesus agindo em relação as expectativas e desculpas apresentadas por estes três indivíduos que ainda não haviam feito uma real avaliação do compromisso com Cristo. Estes indivíduos nos ajudam a compreender algumas das desculpas que a humanidade no decorrer de sua história tem apresentado quando do seu confronto com o salvador.

 

I - A PRIORIDADE DO DISCIPULADO EM RELAÇÃO A POSIÇÃO SOCIAL (57-58).

 

O primeiro homem foi atraído para Jesus. Ele veio espontaneamente, atraído pelo maravilhoso Salvador, e numa explosão de entusiasmo ele disse: "Seguir-te-ei para onde quer que fores"(57). Lucas não revela a identidade deste homem mas Mateus diz que ele era um escriba. Os escribas eram judeus leigos, de erudição e situação social elevadas, que dentre as tarefas como copiar contratos legais e registros civis, atuando inclusive como juízes das leis civis, encarregavam-se da cópia e preservação das Escrituras. Contrariando portanto algumas das principais descrições do seu grupo, aquele homem, que já seguia Jesus, apresentava-se como pronto para um conhecimento muito maior como seu discípulo. Sem dúvidas, uma atitude notória. Mas, provavelmente a seus olhos faltasse a visão da natureza do ministério de Jesus. O verso 58 resume a resposta de Jesus e nos parece que aquele homem não tinha idéia do que acabava de declarar. Jesus apresentou toda a dureza das circunstâncias que envolviam sua vida, algo totalmente oposto ao que estava habituado ou realmente disposto aquele homem. O que Jesus ensina é que alguém que quer seguí-lo tem que desligar-se das coisas que impedem seu progresso no que diz respeito aos propósitos definidos de Deus para sua vida. Nosso amor pelas coisas materiais da vida, como nossa casa, profissão, posição social, carro, roupas, etc., impede-nos de seguir a Jesus com completa liberdade.

 

II - A PRIORIDADE DO DISCIPULADO EM RELAÇÃO AS DEVOÇÕES OU TRADIÇÕES TERRENAS (59-60).

 

O segundo homem foi convocado por Jesus para seguí-lo. Jesus o convidou a ajuntar-se a Ele a fim de juntos apresentarem o Reino de Deus na terra. O convite foi direto e objetivo: "Segue-me"(v.59). A sugestão de Jesus, "segue-me", era um convite àquele a quem se dirigia para que fosse um de seus discípulos. O costume era exatamente o inverso: o discípulo sempre escolhia o seu mestre. Aquele homem teria de renunciar a todas as suas prioridades e compromissos temporários em troca do engajamento no discipulado. De fato o homem observava o preceito judaico da obrigatoriedade pelo sepultamento do pai. A resposta (desculpa) não foi de que o pai estava morto e que ele deveria dar-lhe um enterro decente, mas que ele estava relutando para continuar vivendo em casa durante o tempo em que seu pai permanecesse vivo. Se você esta seguindo a Jesus, ou pretende fazê-lo, é preciso reorganizar suas responsabilidades familiares e colocar-se numa posição de submissão irreversível a Jesus. A chamada de Cristo é superior a maior e melhor das devoções ou tradições terrenas. O Senhor exige uma lealdade maior do que a dada a família. A ordem do Senhor foi de que aquele homem assumisse a responsabilidade de pregar o evangelho. E Ele continua dizendo para cada um de nós: "Segue-me".

 

III - A PRIORIDADE DO DISCIPULADO EM RELAÇÃO AOS RELACIONAMENTOS FAMILIARES (61-62).

 

O terceiro homem aproximou-se e disse: "Seguir-te-ei, Senhor; mas deixa-me primeiro despedir-me dos de casa"(61). Aparentemente nada há de estranho neste pedido mas Jesus replica a palavra do homem e diz que uma vez que decidimos seguí-lo não existe retorno. "Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus"(62). O propósito de Jesus é que nós o sigamos e a condição já foi estabelecida: se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me. Deus nos desafia a darmos o devido valor a família e isto não significa deixar de lado as prioridades que Ele mesmo nos ensina através de sua palavra. É possível que as questões e pressões familiares distancie pessoas de um compromisso com o discipulado e por esta razão o Senhor ensina que devemos rever as nossas prioridades à luz daquilo que é prioritário para Ele.

 

Encontramos em Mateus 6:33 o desafio de buscar primeiro o reino de Deus e a sua justiça que as demais coisas que precisamos ou desejamos nos serão acrescentadas. A lição desta manhã nos ensina a dar prioridade ao chamado de Jesus. Ele nos desafia a sermos seus discípulos neste tempo em que vivemos. Ele nos desafia a estarmos livres de todo e qualquer impedimento que nos atrapalhe nesta caminhada discipular. Não há prioridade maior, não há assunto mais importante; diante deste convite as palavras de ordem são: renunciar e seguir. Sem a disposição de renúncia é impossível esta caminhada ao lado do Mestre. Sempre que notarmos alguma coisa ou alguém insinuando ocupar o primeiro lugar em nossas vidas devemos reorganizar as prioridades segundo a vontade de Deus. E lembre-se o discipulado é prioritário em relação a posição social, as devoções ou tradições terrenas e aos relacionamentos familiares. Cada um de nós que ousa seguí-lo não deve oferecer desculpas, antes e com firmeza devemos trabalhar noite e dia falando a outros do seu poder salvador. Queridos irmãos chega de desculpas, sigamos a Jesus.

 

Valeu amados, forte abraço a todos.

 

 

 

0.0
Última modificação: segunda 13 abril 2015 15:44
#Prioridade

Nenhum comentário ainda...

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.